quarta-feira, 3 de dezembro de 2008

A fome das avezinhas

Desde o campo ao casario
Há neve a resplandecer,
Avezinhas cheias de frio Não têm nada p'ra comer.
Vão tentando pelo chão Na luta que as consome
Qualquer migalha de pão
Que lhes possa matar a fome.
Mas a terra está gelada
Sob a neve que a cobre,
De comer tem pouco ou nada, Cada vez está mais pobre.
Daqui lanço um pedido
Às pessoas boazinhas,
Em razão do sucedido
Dêem comer às avezinhas.
P'ra que elas possam voar
Novamente satisfeitas
Pelas árvores a cantar
Até virem as colheitas.
É bem linda a Natureza
No limiar de cada dia
Apesar dessa dureza
Que ela tem na invernia.
Por isso vamos enchendo
De comer, nossas mãozinhas
E pelos cantos correndo
Matar a fome às avezinhas.
RAMA LYON

1 comentário:

nanda disse...

Nunca é demais gritar aos Homens a realidade da natureza... que tanto dela precisamos. Parabéns.Gostei muito.