segunda-feira, 30 de agosto de 2010

As férias de dois pombinhos

. . .

As férias de dois pombinhos

.

.

A areia ficou dourada

Com os raios do sol-posto

Numa praia abandonada

Em finais do mês d’Agosto.

.

Dois pombinhos à beira-mar

Iam arrulhando coisas sérias,

O que é doce vai acabar,

Amanhã findam as férias.

.

E assim tão enamorados

Tendo o mar por companhia,

Despediram-se enlaçados

Do descanso e da alegria.

.

Regressaram ao seu pombal

Onde à anos fizeram ninho

Num modesto roseiral

Feito de amor e carinho.

.

E depois no dia seguinte

Pela manhã bem cedinho

Como faz o bom pedinte

Puseram asas ao caminho.

.

E lá foram pró trabalho

De cabeça bem erguida

Por esse difícil atalho

Que faz parte da sua vida.

.

Estes versos pobrezinhos

Vem mostrar em rica voz,

Que o caso destes pombinhos

É a história de todos nós.

.

Rama Lyon

.

3 comentários:

Fernanda disse...

Um poema que me fez sorrir, sobretudo no final. E a verdade e' que sem repararmos a natureza conta e vive historias, como estas, que poderiam ser as historias de muita gente. Pena nao repararmos na beleza disso. Ainda bem que existe quem repare e escreva sobre elas.
com amizade amizade...

Viviana disse...

Olá amigo Rama Lyon

Encontrei o seu poema nos "Laços de Poesia, da nossa amiga Fernanda.

Li-o com tanto interesse e com o meu pensamento fixado de tal modo em si. que no final...deixei um comentário dirigido a si no blogue da nossa amiga.

Veja só.

Já expliquei á Fernanda.

Creio que aconteceu porqe quando eu leio um poema, um penso no autor, tentando perceber os seus sentimentos que o levaram a escrever tais palavras.

Gostei muito do poema de tal modo que o levei e publiquei no meu cantinho.

Não se importa, pois não?

Hoje é mesmo 31 de Agosto, e para muitos dos meus amigos também se acabaram as férias.

Desejo-lhe uma linda Terça-feira
Um abraço
viviana

Fernanda disse...

Ola amigos. Estou um pouco preocupada
sem noticias vossas. Beijos e abracos nossos. Tenho realmente saudades.