sexta-feira, 28 de novembro de 2008

A Serra da Estrela

Cai a neve devagarinho, Tão bela, dá gosto vê-la, Vestindo um manto branquinho À nossa Serra da Estrela. É sublime o panorama Neste quadro natural Onde o clima pinta a rama Das árvores de Portugal. As vertentes vão ficando Pouco a pouco transformadas Com a neve que vai mudando A cor das Penhas Douradas. E a Torre fica mais fria Ao sabor da fina aragem, Mas não perde sua magia Nos braços desta paisagem. Em troca dos bons rebanhos Que o pastor guardou no monte Ficaram encantos tamanhos Do pôr-do-sol no horizonte. Quem sobe à Serra da Estrela, Seja Inverno ou seja V'rão, Finda sempre por trazê-la Dentro do seu coração. Na montanha sou feliz Com neve ou rochas ao léu, Porque vejo o meu país Muito mais perto do céu. RAMA LYON

1 comentário:

nanda disse...

Continuo a dizer que a sua capacidade de descrição, é muito bem exposta nos seus poemas. De maneira simples, prática e muito bonita. A verdadeira amizade relflete-se, no orgulho que temos nas coisas que nossos amigos fazem... eu tenho orgulho dos seus poemas.